segunda-feira, 15 de junho de 2020

Prejudicados pela pandemia, agricultores esperam que programa estadual de aquisição de alimentos saia do papel

Visualização da imagem
Lei sancionada pelo governador Paulo Câmara prevê 30% dos recursos do Estado voltados à aquisição de alimentos para agricultura familiar, com limite de compra de até R$ 20 mil por produtor.
Com milhares de pequenos agricultores reclamando da dificuldade de comercializar seus produtos durante a pandemia do novo coronavírus, o governador Paulo Câmara decidiu esta semana (3) sancionar o projeto que dispõe sobre a compra institucional de alimentos e a economia solidária. É o Programa Estadual de Aquisição Alimentar da Agricultura Familiar (PEAAF), que assegura pelo menos 30% dos recursos do Estado destinados à aquisição de alimentos sejam utilizados na compra de produtos agropecuários, lácteos, resultantes da atividade pesqueira, dentre outros.
Aprovada há quase um mês pela Assembleia Legislativa, a nova lei traz sugestões do Sindicato dos Agricultores Familiares de Petrolina (Sintraf) e é uma reivindicação já antiga das entidades ligadas à agricultura familiar. O programa se destina também a agricultores urbanos, pescadores artesanais, criadores de animais, povos indígenas, comunidades quilombolas e beneficiários da reforma agrária. O texto sancionado por Câmara, porém, limita a compra estatal no valor anual de R$ 20 mil, por pessoa, e de R$ 6 milhões, através de cooperativas e associações.
A medida pode ajudar a levar recursos a homens e mulheres do campo que se queixam da falta de acesso a recursos para atravessar a crise. Nos últimos três meses, o Sintraf expôs a tímida assistência do poder público e vem cobrando ações assertivas do Estado e município diante da pandemia. “O PEAAF é importante porque dá aos agricultores mais oportunidades de comercialização de seus produtos, num momento em que perdemos vários hectares de frutas”, comenta a presidente do sindicato, Isália Damacena.
A legislação define ainda requisitos para o beneficiário participar do programa, como: possuir Declaração de Aptidão (DAP) ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), ser real produtor do alimento, atender controle de qualidade dispostos nas normas vigentes e apresentar preços praticados no mercado local ou regional.
Modalidades
Segundo a Lei nº 16.888, o PEAAF prevê três modalidades: a Compra Institucional Direta, quando os alimentos são adquiridos pelo Governo do Estado por chamada pública ou dispensa de licitação; a Compra Institucional Indireta, na qual os fornecedores de alimentação preparada devem incorporar entre seus insumos gêneros alimentícios fornecidos pela agricultura familiar; e a Compra Direta com Doação Simultânea, em que os produtos adquiridos da categoria são destinados aos hospitais, escolas, presídios estaduais, creches, instituições de amparo social, famílias em situação de vulnerabilidade e equipamentos de alimentação e nutrição.
Isália Damacena informou, contudo, que os pequenos agricultores só devem começar a sentir efeitos da medida quando o programa for executado. “Não sei ainda quando eles irão colocar a lei em prática. Mas espero que isso ocorra para os próximos dias”, disse. A líder sindical contou também que “a entidade continuará acompanhando o caso”, para, a partir disso, “informar e orientar os agricultores sobre como participar do programa”, garantiu. 
Também contribuíram para a elaboração da lei, de iniciativa do Executivo e do deputado estadual, Gustavo Gouveia (DEM), as entidades Sertão Agroecológico e Rede de Territorial de Agroecolegia, por meio dos professores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Hélder Ribeiro Freitas e Élson de Oliveira, além do deputado Lucas Ramos (PSB).

domingo, 14 de junho de 2020

Tabira: Em carta a berta, Nelly lança pré-candidatura a prefeitura pela 3ª via

Câmara de Tabira suspende sessões por mais 20 dias : Nill Junior
Carta ao Povo Tabirense.

Cresci ouvindo que política não era profissão, mas deveria ser feita por ofício, sacerdócio e entrega. Sou filha de um contador que exerceu cargos públicos, mas sempre colocou como imposição na formação dos filhos a necessidade de uma profissão. E assim eu fiz, escutei a vocação e fui embora, como tantos sertanejos e sertanejas construir um sonho. Cursei odontologia na Universidade Estadual de Pernambuco (UPE) e voltei para exercer a profissão na minha terra, nossa Tabira. Foi na saúde pública que percebi que a política era de fato o maior caminho para as transformações que meu coração de estudante sonhava. É a política que nos permite corrigir a história, ampliar espaços, trabalhar por igualdade e construir o bom debate.

Resisti muito a disputar uma eleição. Gostava da comodidade de servir da minha forma, na rotina do consultório e ao povo de minha cidade, que independente de mandato sempre soube meu endereço sempre encontrou as portas de minhas casa abertas, assim como meus ouvidos e meu coração.
Mas antes da odontologia, eu já era militante. Por Tabira. Cresci em meio a muitas lutas, vi de perto as fases e as faces do desenvolvimento de nossa cidade e sentia uma ausência muito grande de mulheres representando a força da nossa gente. Questionava isso inclusive na minha casa. Tabira de tantas mulheres de fibra e força, mas distantes dos espaços de decisão, da formação do poder.

Aos 31 anos, de bandeira em punho e pés no chão, disputei a minha primeira eleição. Nunca tinha sentido tanto na pele o quando o ambiente da política era reservado aos mandos e desmandos da voz masculina. Aquilo foi mostrando que eu precisava ocupar ainda mais aquele espaço, não por ser filha de ninguém, mas por ser mulher, militante, mãe, profissional e entender o que tantas outras mulheres vivem por conta da ausência de políticas públicas, de condições iguais de emprego e renda, de educação.

Me sinto privilegiada. Pois até aqui lutei muito para garantir meu lugar de fala e minha posição. Mas vencer os pleitos eleitorais não significou vencer uma luta histórica, que não é só minha, mas de todas nós. Infelizmente a política é carregada do machismo estrutural e quer ditar até onde a mulher pode ir. É como se daqui a gente não pudesse passar. Os partidos e suas alianças pela manutenção do poder tentam impor a todo custo os limites, as barreiras. E definir até onde a voz de uma mulher pode ir. 

Sou vereadora de nossa cidade. Estou presidente do poder legislativo. Até aqui os desafios foram enormes. Conheci de perto as dores das mães tabirenses enfrentando os desafios de uma saúde pública deficiente, as angústias do estudante que quando sai da faculdade não encontra mercado de trabalho, as agruras do comerciante vendo a economia parar e a dor dos artistas que tanto engrandecem nossa terra, mas sofrem com a falta de atenção e prioridade. 

Estou no PSC, partido que me abrigou ainda na primeira eleição. Recebo da sua executiva estadual a missão de colocar meu nome em mais uma luta, dispor nossa energia a mais um debate. Não vai ser fácil como não seria para nenhuma outra mulher. Os interesses dos homens buscam continuar representados apenas por aqueles que sem nenhum senso crítico, representam apenas a continuação da velha política, que muda as cores, as caras, os nomes, mas continuam com as velhas práticas. Nomes que servem apenas para sustentar os conchavos e servir de fantoche para democracia.

Recebo o desafio do meu partido ao lado de muita gente, confiando na principal aliança que devemos ter: do povo de nossa Tabira. Sou Maria Nelly, cirurgiã dentista, mãe de Maria e presidente da Câmara Municipal de Tabira. E sei que o local das mulheres não é até aqui. As barreiras precisam ser quebradas por mãos unidas, cabeças pensantes e corações que pulsam por Tabira.

Sem maquiagens, sem pirotecnias, sem continuação dos erros, respeitando o direito reservado a qualquer cidadão, iremos debater Tabira. Mas ao lado do respeito que o debate merece, também passa mãos e corações unidos pela mesma causa: uma Tabira que seja protagonista do Pajeú e não venda gato por lebre, velho por novo e acredite principalmente na força da mulher tabirense.

Nelly Sampaio.
Tabira, 14 de Junho de 2020.

sábado, 13 de junho de 2020

Vulnerabilidade de trabalhadoras domésticas aumenta na pandemia

trabalhadora doméstica
Estudo elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), alerta para a vulnerabilidade de trabalhadores domésticos durante a pandemia de covid-19. Referenciando números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os autores destacam que cerca de 70% da categoria, a qual reúne 5,7 milhões eram mulheres, não possuem Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) assinada. 

Annita, Ivermectina e Cloroquina

Jair Bolsonaro disse hoje que “nada está comprovado sobre o Coronavírus”. Por isso, na lógica do presidente, para atacar a Covid-19, vale tomar até ivermectina, o vermífugo defendido por Marcos Pontes. “De vez em quando alguém ainda fala né: ‘Ah, não pode usar a hidroxicloroquina porque não foi comprovado cientificamente’. Não foi. A ivermeticina [sic], é isso? É um comprimido azul da Anitta, tem gente que diz. O Marcos Pontes, o nosso ministro da Ciência e Tecnologia, tem testado isso com protocolo da Anvisa em alguns hospitais e tem dado resultado também. Eu acho que o resultado é até melhor que a cloroquina porque mata os vermes todos”, afirmou.
O presidente disse que a mãe, com 93 anos e 45 quilos, vai tomar a hidroxicloroquina, por decisão da família.

domingo, 22 de março de 2020

China testa sua primeira vacina contra coronavírus em voluntários

A China testou sua primeira vacina contra o novo coronavírus em voluntários. Desenvolvido em parceria entre pesquisadores, forças armadas do país e a iniciativa privada, o medicamento foi experimentado ontem. A informação tem circulado pela mídia local e foi publicada pelo perfil oficial da Embaixada da China no Brasil.
Os primeiros voluntários do experimento estão limitados a residentes da cidade de Wuhan, entre 18 e 60 anos de idade. Três grupos, de dose baixa, média e alta, com 36 membros cada, ficarão em quarentena por 14 dias e serão monitorados por pesquisadores durante seis meses.

Morre o poeta Valdir Teles

Morreu na tarde deste domingo (22), o Poeta, Compositor e Cantor paraibano Valdir Teles. O poeta foi vítima de um infarto fulminante. Valdir Teles Nasceu na cidade de Livramento, na Paraíba, mas foi levado ainda recém nascido para São José do Egito, sertão do Pajeú, onde recebeu forte influência da cultura local e teve o primeiro contato com a cantoria de viola. 

Barragem do Rosário falta centímetros para transbordar

Nossa equipe de reportagem recebeu imagens na tarde deste domingo (22) que mostram que a Barragem do Rosário está bem próximo de sangrar. Nas imagem da tela, dar pra ver que o volume de água das últimas chuvas no município de Iguaraci fez com que a Barragem aumentasse muito o seu volume de água. A expectativa é que com as próximas chuvas Rosário volte a sangrar, repetindo o feito de 16 anos atrás. A última vez que sangrou foi em 2004.

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

COLUNA DO ITAMAR FRANÇA


Resultado de imagem para ELEIÇÕES 2020

ALFINATADAS

Em clima de disputa, o ex-prefeito de Afogados da Ingazeira, Totonho Valadares (MDB) e o vice-prefeito Alessandro Palmeira (REDE) vêm trocando farpas com indiretas. Valadares chegou a mencionar a palavra ‘poste’ ao ser referir ao apoio do prefeito Zé Coimbra (PSB) a Alessandro Palmeira, lembrando situações em que outras lideranças recorreram a esse expediente, cegando a citar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT). Já o vice-prefeito Alessando Palmeira também de forma indireta declarou que “a cidade de Afogados da Ingazeira não pode ser governada por alguém que votou no presidente da República, Jair Bolsonaro”.  Pode não ser um prenúncio, mas se houver de fato um racha político entre Totonho e Coimbra, será muito explorado o ‘poste’ e o eleitor de Bolsonaro...
***********************

O POSTE E O VOTO EM BOLSONARO...

Por falar nisso, o fato de o ex-prefeito Totonho Valadares (MDB) ter votado em Bolsonaro irá influenciar no voto do eleitor afogadense? Para muitos, o debate é municipal e nada influenciará na decisão do povo, afinal o brasileiro não vota em partido, mas na figura de quem o representa como candidato. Em suma, Valadares pouco está se lixando quanto ao voto depositado no atual presidente. Não há dúvida de que isso será explorado ao extremo durante a campanha eleitoral.
***********************

FARPAS

Em Serra Talhada, o ex-prefeito Carlos Evandro (PSB) e o empresário Victor Oliveira (Avante) continua trocando farpas. Na disputa pela indicação da cabeça de chapa, o clima de guerra vem gerando certo desconforto para o deputado federal Sebastião Oliveira (Avante) principal liderança da oposição e condutor do processo de escolha na composição da chapa. Victor que concorreu o pleito em 2016, não admite que Carlos Evandro seja o candidato do grupo, quando ele (Victor) encarou o desafio enfrentando o prefeito Luciano Duque (PT) na reeleição, com a máquina na mão e uma gestão bem avaliada pela população. Evandro rebate Victor com o argumento de que as pesquisas de intenção de voto é que devem nortear a definição de qualquer candidatura. Nesse hem,hem,hem Sebá terá que ter muita habilidade para não haver uma ruptura no grupo.
***********************

ATAQUES SEM REAÇÃO

Em Iguaraci, a coisa é bem semelhante a Serra Talhada e Afogados da Ingazeira. É que o comerciante Bibi Alves (Avante) pré-candidato a prefeito no bloco de oposição, vem fazendo críticas constantes ao ex-prefeito Dessóles Monteiro (PTB). Apesar de ambos militarem no campos oposicionista, as coisas não andam bem por lá. Pelo menos até o momento não se tem conhecimento de qualquer reação por parte do ex-prefeito. Pelo andar da carruagem, muito dificilmente Bibi e Dessóles estejam no mesmo palanque, a menos que o clima fique mais ameno...

***********************
A adesão do vereador Tadeu do Hospital (PTB) ao prefeito de São José do Egito, Evandro Valadares (PSB) deixa claro quer o ex-prefeito José Marcos de Lima (Avante) não disputará a prefeitura pela oposição na eleição desse ano. Tadeu é um dos vereadores oposicionistas que declinaram apoio a uma eventual candidatura do ex-gordo. Já se porventura o candidato fosse Romério Guimarães (PT), haveria verta restrição. Na verdade existe uma certa divisão no grupo de oposição de São José do Egito. Lideranças ligadas a Zé Marcos não nutrem muita aceitação ao nome de Romério e vice-versa...

***********************

PP OU PTC

Por falar nisso, o ex-prefeito Romério Guimarães está com um dos pés fora do Partido dos Trabalhares (PT). A pré-candidatura do vereador Rona Leite a prefeitura deixou Romério a deriva, isso porque perdeu o controle da legenda. Flertado pelo deputado estadual e presidente da Alepe, Eriberto Medeiros (PP), Romério pode ingressar no Progressita ou mesmo no PTC, ambas estão sob o controle de Eriberto no estado. A Romério cabe decidir o seu rumo partidário. A Rona, uma definição clara do que verdadeiramente quer, porque a saída de Romério enfraquecerá bastante o PT na terra dos poetas.
***********************
NÃO SE REUNIU

A Frente Popular de Afogados da Ingazeira durante o ano de 2019 não se reuniu para tratar do pleito municipal de 2020. Com o fim do Conselho Político, os partidos e as lideranças políticas ficaram a mercê do tempo para as suas tomadas de decisões. O partido Patriota inflou de pré-candidatos, depois desnutriu e a gora o grupo pode migrar para outra sigla partidária. O suplente de vereador Mário Martins criou um grupo de pré-candidatos ao legislativo de forma independente e o advogado Steno Ferraz montou um grupo paralelo com pré-candidatos ligados a Frente Popular, como é o caso de Auxiliadora e o Sargento Gleydson. Coimbra começa a se preocupar porque se não houver organização e estratégia a proporcional pode perder muitos votos com essa divisão. Acredita-se que o socialista tentará convencer os líderes das legendas a se organizarem, evitando tal divisão. Na proporcional apenas dois partidos. Sendo assim, sobrarão PSB, PP ou Patriota...

 ***********************
GLEYBSON MARTINS 

Em Carnaíba a desistência de Alessandro Avistão de disputar a prefeitura pela oposição deixou alguns entusiastas da pré-candidatura de Avistão desanimados. Com isso, o vereador Gleybson Martins (PDT) ganhou força para encabeçar a chapa majoritária. O pedetista terá pela frente uma eleição difícil, pois enfrentará um candidato com uma gestão bem avaliada, o prefeito Anchieta Patriota (PSB). Gleybson conta atualmente com o apoio de cinco vereadores. Ainda assim, o barbudo tem larga vantagem pelo poder da máquina administrativa e pela credibilidade política que goza dentro do município. Há uma tendência de crescimento do pedetista durante o processo eleitoral, quando forem definidas as candidaturas, mas Anchieta continuará sendo o grande favorito, a menos que fatos novos venham a mudar a conjuntura política local.